UX design: mais cultura do que apenas interface

Equipes multidisciplinares que adotam processos colaborativos já têm o User Experience (UX) na veia ou, pelo menos, o conhecem. Mas engana-se quem acredita que UX é tão bem disseminado. Muitas empresas de grande porte, que possuem estrutura sólida, processos consolidados, organograma linear e cultura de desenvolvimento bem definida, ainda confundem UX design com UI design ou Design de Interação.

O autor de “Elements of User Experience”, Jesse James Garrett, inspirou Trevor van Gorp a criar uma metáfora: “the user experience iceberg”. Com isso, van Gorp quer dizer que mesmo empresas com alto nível de maturidade tendem a focar a área design exclusivamente na superfície (UI Design) – o que é um comportamento natural, visto que essa seria a camada mais emocional do UX. Mas está longe de ser todo o conceito, é apenas a ponta do iceberg.

 

aaeaaqaaaaaaaalraaaajdexmjkzzdkyltzmntqtndm1ys1imze2lwuwmdjjnte5mtjjyq

The user experience iceberg, Trevor van Gorp.

 

Observando a figura acima, é possível perceber que o UX vai muito além do UI design. O UX é composto por camadas multidisciplinares que permeiam as etapas do projeto.

Em todas essas camadas existem profissionais com interesses diferentes. Um, por exemplo, tem o objetivo de atender às regras de negócio; outro tem foco em tecnologia; outro em interação, e por aí vai. Segundo Fabrício Teixeira, editor do Blog de AI, o UX é como uma lente que todos os players do projeto devem compartilhar durante as etapas do desenvolvimento.

Portanto, UX não é profissão ou processo, mas uma cultura com que todos os envolvidos no projeto devem se comprometer. Portanto, pesquise e conheça o usuário final, somente ele poderá afirmar se o produto atende UX ou não. Colete e avalie informações de mercado, aproxime o marketing da estratégia de desenvolvimento, traga o usuário para testar o produto, e sempre avalie a satisfação de uso.

Mas lembre-se: cliente é quem paga pelo produto e usuário é quem o utiliza. Eles nem sempre são a mesma pessoa! Compreender isso é muito importante para o sucesso do UX.

#vamoquevamo

Siga-me os bons @ideativodesign

Fontes: Blog de AIAffective design.

Patricia Prado
patricia@ideativodesign.com.br

Mestranda em Interfaces e Interações Comunicacionais na UDESC, especialista em Design Experiencial pela UFSC e formada em Desenho Industrial pela FAAB. Trabalha com design há mais de 15 anos. Tem no currículo experiências pelas empresas RBS, DOT, Pixeon e Dígitro.

GOSTOU? CADASTRE-SE PARA RECEBER NOSSOS CONTEÚDOS EXCLUSIVOS.